quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Sou tudo e não sou nada

Sinto no pensamento a força de um gigante e no interior a fragilidade de uma criança, por vezes sou Verão no calor da paixão, por vezes sou Inverno na melancolia do passado, no entanto sou tudo e não sou nada

Sem comentários:

Enviar um comentário