segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Entreguei-me a ti...

Entreguei-me a ti, assim desamparado, no desnorte, sem te perguntar quem eras, como da noite se fez dia, como da lua se beija a sorte...

José Guerra (2011)

1 comentário:

  1. E nesta gravitação dormente
    neste limbo doce e urgente
    permaneço alheado de mim...
    longe da realidade
    sem já saber quem sou
    na verdade...

    ResponderEliminar