terça-feira, 6 de setembro de 2011

...sede da tua boca...

Por campos semeados de sede da tua boca me sacio, lavro-te em prosa desnudo, na semente te planto, ventre se deu tréguas, em espasmos me devoras, num abraço me ficas, beijo-te em silêncio apenas...

José Guerra (2011)

Sem comentários:

Enviar um comentário