domingo, 23 de outubro de 2011

Nuvens que se chovem...

Nuvens que se chovem
De águas carentes
Passadas e presentes
De tormenta se choram
Dilúvios ardentes
Do nascer ao poente
Se sopram lágrimas de gente
Que se gritam, mudas se sentem

José Guerra (2011)

3 comentários:

  1. Prezado José Guerra: estive aqui e já percorri uma parte do seu trabalho. Aos poucos irei percorrendo as outras páginas que, a julgar pelas postagens mais recentes, serão ótimas! José Maurício Guimarães

    ResponderEliminar
  2. Olá!!

    De pronto venho conhecer seu blog. Gosto muito de tudo que leio parabéns!

    Deixo meu abraço e claro sigo você!

    Nos encontramos no Alma ou aqui.

    ResponderEliminar
  3. Obg amigos!
    Abraços poéticos!
    Boas inspirações!

    ResponderEliminar