quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Sou do mundo, sou de ninguém...

Respiro a solidão da noite
Sem que do sol a deixe fazer manhã
Grito num prenúncio de uma alvorada
Sou ave despida do passado
Sou do mundo, sou de ninguém


José Guerra (2012)

Sem comentários:

Enviar um comentário