sábado, 28 de abril de 2012

Gota de chuva...

Sou aquela gota de chuva
Que caiu ali e além
Molhei beirais e telhados
Beijei o vento e a terra
Saciei lábios e mar ao acordar
Do céu, morri numa flor
Que não sabia amar

José Guerra (2012)

sábado, 21 de abril de 2012

No teu acordar...


Sombras de silêncio
Jogo de luzes num bailado
Não dou pelo respirar
Faz-se tarde
Imagino-te num abraço
Naquela praia sem nome
Era de areia o nosso castelo
De sol e mar
Mas é noite e fez-se luar
Queria apenas adormecer
No teu acordar

José Guerra (2012)

quarta-feira, 11 de abril de 2012

És tu a minha boca...

És tu a minha boca
Madrugada de ontem
De um tempo feito instante
Saliva rouca
Aventura louca
Conversas doidas
Olhos que não mentem
Tua pele de seda
Nas mãos que sentem

José Guerra (2012)

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O silêncio


O silêncio é uma boca
que repousa
um olhar que se diz
pelo que não se diz
é prosa que se sente
em palavra ausente
é um grito surdo
num beijo mudo
que muda tudo


José Guerra (2012)