quarta-feira, 6 de junho de 2012

São vagas perpétuas...

Há muito que o sol partiu
e a noite em mim caiu
pesa-me a alma roxa
como agapantos
sei que me vês do mar
onde eu queria acabar
os meus olhos não têm chão
são vagas perpétuas
que eu queria calar
nesse amor, florido de sal
que um dia te sonhei amar

José Guerra (2012)

Sem comentários:

Enviar um comentário