terça-feira, 8 de novembro de 2016

Céu e Vida


2 comentários:

  1. Ficaria a ler o que tão divinamente escreve, toda esta vida, e outra, se a tivesse. Desculpe, estava tão imbuída e entretida, que nem o saudei.

    Olá, José guerra, Honoré DuCasse (que pseudónimo lindo e doce, escolheu)!

    Não consigo comentar o que escreve. Será que alguém é capaz?
    Estive a ler algumas das suas publicações, e fiquei boquiaberta e sem palavras (parece paradoxal, mas foi o que aconteceu).
    Sabe, as suas mensagens toldam-me o pensamento e fico um tanto "atordoada", sem nada saber articular, quanto menos pensar, contudo, parece-me que fala, quase sempre, de tristes sentires. Terei compreendido?

    Este do céu e da vida, deixou-me com um brilhozinho nos olhos. Verdade! Essa do tempo se fazer entre exageros e metáforas doces e salgadas, é de mestre, e só quem ama, consegue escrever e entender isso.

    Sabores... sabor, gosto de verso que a boca dela lhe escrevia. Já não escreve, presumo! Evidente que estou vendo tudo no plano do seu eu-lírico, como convém.

    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, Céu

    Grato pelas suas palavras!! É bom saber que os meus poemas tocam as pessoas desta forma!! Fico deveras lisonjeado!!

    Um abraço poético e peço desculpa pelo atraso na resposta!

    José Guerra

    ResponderEliminar